Categoria Gerenciamento de Projetos

Ei Scrum Master, 10 dicas para deixar sua Sprint tranquila e favorável…

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o WordPress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos (e demais assuntos) no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Ao confessionário… quem nunca começou uma Sprint com aquela sensação de que havia algo de “estranho” – o original é podre (Hamlet, Shakespeare) mas achei a palavra meio inadequada para o contexto –  no reino da Dinamarca, que atire a primeira pedra…

Foi pensando em você Scrum Master, que às vezes se sente meio perdido olhando para suas 75 métricas, as quais, algumas delas, te dizem mil coisas e outras não te dizem coisa alguma… que em horas do dia se sente abandonado pelos institutos que te certificaram e te disseram que o Scrum Guide é o caminho, a verdade e a vida e que por fim, não permite, nem sob tortura, que o seu time sucumba ao eXtreme GoHorse (XGH)… que decidi investir uma fração do meu dia para apresentar-lhe as dicas abaixo. Creio, contudo, que você já conheça muitas delas, de todo modo é sempre bom revisitá-las. :mrgreen:

Sem muitas delongas… desembuchemos:

Ler mais

PMBOK® Guide 6ª Edição vem aí com muito mais Agile… (quem diria hein!)

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o WordPress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos (e demais assuntos) no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Escrevi este pequeno post para compartilhar uma boa notícia… (creio eu)

Pra quem é ligado no PMBOK® – o guia de boas práticas em gerenciamento de projetos do PMI – sabe (ou pelo menos deveria saber) que a cada 3 anos o instituto revisa o seu guia principal. Para tanto, ele convida profissionais do gerenciamento de projetos em todo o mundo, para participar da revisão enviando suas observações, comentários e itens de melhoria. O PMBOK® Guide Sixth Edition, diferente das edições anteriores, virá com uma característica inédita, ele será tanto um standard quanto um guia. Um standard porque apresentará conceitos chaves, descrevendo o que fazer para se obter projetos bem sucedidos. E um guia, porque se expandirá apresentando informações adicionais sobre como usar as boas práticas de gestão de projetos globalmente reconhecidas.

Ler mais

7 Dimensões do Produto: uma forma eficiente de escrever User Stories

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o WordPress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos (e demais assuntos) no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Recentemente tive o privilégio de receber da consultoria a qual trabalho, mais uma empolgante e desafiadora missão: gerenciar – com Scrum (e demais métodos ágeis) – um “novo” projeto de TI de alta complexidade em uma grande multinacional norte-americana (um de nossos clientes).

O projeto já havia passado do feasibility (análise de viabilidade) quando começamos, uma Product Owner e eu, a tomar conhecimento do escopo macro do projeto. Já na fase de iniciação, entrevistamos algumas pessoas da área de negócio, para entendimento e possível extração de alguns épicos e requisitos que serviriam para criação do Product Backlog, norteando, inclusive, o planejamento da primeira release.

Para se ter dimensão da complexidade da “brincadeira”, o escopo deste projeto contempla desde a criação de novas aplicações para interfacear a comunicação e troca de arquivos entre duas empresas, até a restruturação de sistemas legados e mainframes… além do redesenho de vários processos incluindo uma robusta ferramenta de BPM. Para atender as demandas de negócio, criamos 6 Product Backlogs diferentes, sendo 6 áreas da empresa impactadas diretamente pelo projeto. Está previsto ainda a formação de 3 Times de Desenvolvimento trabalhando nesses PBs ao longo de todo o projeto. Frise-se que a elevada complexidade fez com que este projeto, num passado não muito distante – utilizando-se de uma abordagem tradicional (waterfall) – fosse cancelado após 6 meses de execução por estouro de budget. Este fatídico episódio, por si só, faz com que a carga de expectativas colocada sobre a costas do time atual do projeto e o desafio, aumentem ainda mais. Por outro lado, porém, temos a nosso favor importantes e valiosas lições aprendidas. :mrgreen:

Dada a já exposta complexidade do projeto, o tamanho do escopo e a quantidade de pessoas que de certa forma seriam necessárias para iniciar a escrita de user stories, decidimos que seria mais produtivo – ao invés de workshops de escrita de user stories – utilizarmos uma técnica mais estruturada para este fim; conhecida como 7 Dimensões do Produto.

Ler mais

7 dicas para passar na certificação Professional Scrum Practitioner (PSP)

Nota: após a publicação deste post, a Scrum.org reestruturou seu programa de certificação transformando a PSP em PSM II… antes de avançar, recomendo a leitura deste post aqui para entender mais sobre esta reestruturação.

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o WordPress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos (e demais assuntos) no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Recentemente fui convidado (na verdade me senti desafiado) pela Scrum.org, a testar meus conhecimentos práticos sobre Scrum, que para tanto, deveria me submeter à mais nova certificação do instituto denominada Professional Scrum Practitioner.

Esta certificação ainda não foi publicada na área de Assessments do site da Scrum.org (imagem abaixo) pois ela está em fase de experimentação. Para aqueles, porém, que desejarem conhecer mais sobre esta nova certificação, disponibilizo o link aqui (PSP).

Screen Shot 2016-02-28 at 9.59.55 PM

Ah meu Deus, mais uma certificação? Óh não!

Ler mais

Reflexões sobre os 12 Princípios…

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o WordPress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Idealizei este post com o intento de transcrever algumas reflexões sobre os 12 Princípios, os quais podem ser descritos hoje como pano de fundo do Manifesto Ágil. Tais reflexões visam confrontar algumas interpretações equivocadas (sob meu ponto de vista, é claro) que, costumeiramente, ouço e/ou leio por aí. Vamos a elas:

Nota: Utilizei como exemplo a construção de um veículo por uma montadora, por ser mais didático… creio. 🙂

Ler mais

Escalando o Scrum com o Nexus Framework

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o wordpress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Não há mais como conter o avanço do Scrum e das metodologias ágeis. Os mantras repetidos efusivamente de que o ágil é, digamos, a forma mais adequada de se produzir software funcionando, com qualidade, com time-to-market aceitável, que agregue valor para os clientes e tutti quanti… já estão démodé. (démodé é bem… deixa pra lá vai)

Modernamente, muitas empresas de TI já estão se adaptando a esta nova forma de pensar e rapidamente se movimentam no sentido de adotar, senão o todo, grande parte das técnicas e da cultura disseminadas pela filosofia ágil.

Ao passo, porém, que a adoção de tais métodos se acentua… novos desafios, com graus variados de complexidade, começam a emergir. Como por exemplo, o desafio que uma grande empresa – que decidiu adotar o Scrum em um dos seus projetos, e por questões N, precisará que, hipoteticamente, 40 desenvolvedores trabalhem de maneira sincronizada no desenvolvimento de um único produto – enfrentará para coordenar eficientemente todos os envolvidos, colaborando para que estes cumpram as metas de negócio definidas pela organização. Além de ser óbvio que esta não será uma tarefa fácil, o próprio Scrum desestimula a formação de times de desenvolvimento com mais de 9 membros.

Ler mais

Presidenta Dilma, um Backlog seria um bom começo…

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o wordpress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Carta (post) aberta à Presidenta da República Dilma Rousseff

Excelentíssima Senhora Presidenta da República,

Muito se tem falado em setores da “grande mídia” que o Brasil está vivendo uma grave “crise” político-econômica. A administração das contas públicas está em colapso, déficits crescentes no orçamento, aumento no nível de desemprego, inflação acima da meta (inflation target) e sintomas crônicos de estagflação, caracterizado tecnicamente pelo aumento do desemprego e pela queda no nível de atividade econômica, leia-se recessão. Contudo, a real medição da gravidade e dos efeitos desta “crise”, compete a cada um de nós, brasileiros, fazê-la, tomando como referência a melhora ou a piora da qualidade de vida. Felizmente, na formação íntima e consciente desta convicção, não há como a “grande mídia” interferir.

A sensação que tenho, é que nem todas as pessoas compactuam do mesmo pessimismo visto nos principais hebdomadários brasileiros. Por outro lado, porém – e aqui falo com um pouco mais de propriedade – vivemos uma aguda crise, sem precedentes, de cunho moral e intelectual. E isto sim, na minha opinião, é um grave problema.

Ler mais

Priorizando Backlog com a Técnica MoSCoW

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o wordpress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Prezado leitor, se você me dissesse que está pensando em dar um upgrade na carreira; investindo num treinamento para se tornar um Product Owner, e gostaria, com base na minha experiência, que eu definisse com apenas 3 verbos, o que faz (ou pelo menos deveria fazer) um PO. A resposta de bate pronto seria:

  • Dividir
  • Priorizar
  • Descartar

Como eu sei que estes três verbos soltos não seriam suficientes, farei a seguir uma breve explanação sobre eles. Vejamos:

Ler mais

MVP e a Gestão de Custos em Projetos Ágeis – Parte 2 (Final)

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o wordpress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Eis que vos apresento, meu caro e paciente leitor, a segunda e última parte do post MVP e a Gestão de Custos em Projetos Ágeis – Parte 1. (aqueles que estavam esperando ansiosamente por esta segunda parte, dê um curtir… cri cri cri cri cri… #CigarrasFeeling)

Sem muitas delongas, avancemos… o seu projeto, como vimos na parte 1 do post, agora possui um MVP. Com base neste MVP e na velocidade média do seu time, conseguimos planejar a primeira release do projeto. O que nos resta agora – para gerenciarmos o valor agregado – é estimar os custos, que em particular eu prefiro fazê-lo da seguinte forma, a saber:

Ler mais

MVP e a Gestão de Custos em Projetos Ágeis – Parte 1

Olá Pessoas,

Antes de mais nada eu gostaria de agradecer o wordpress, por ceder este espaço para que a gente possa, em alto nível, discutir a gestão de projetos no Brasil… (protocolos e blá blá blás cumpridos, vamos ao que interessa)

Agileland-13c é um pequeno e jovem planeta localizado a cerca de 180 anos-luz da Terra – próximo a constelação de Sutherlands & Schwabers – habitado por seres de altíssimo nível intelectual, que conseguiram experimentar, com êxito, a gestão de projetos de TI utilizando-se apenas do que nós conhecemos aqui na Terra como Scrum Guide.

Lá, por exemplo, os gerentes de projetos deste amistoso planeta, superaram a penosa tarefa de ter que gerenciar e controlar os custos dos seus projetos. Infelizmente aqui na Terra, a realidade ainda não é bem esta. Nós terráqueos precisamos, na maioria dos projetos de TI em execução, gerenciar e controlar os seus custos de maneira bastante objetiva, e além disso, precisamos frequentemente reportar e prestar contas sobre a saúde financeira dos referidos projetos, aos seus respectivos sponsors e demais partes interessadas.

Agora faço a você, meu caro leitor, um desafio. (se você ainda não fez o download do Scrum Guide, por gentileza clique aqui)

Abra o Scrum Guide (PDF) e utilizando o poderoso command + F (find) busque pela palavra CUSTO… nada nesta mão, nada na outra… eeeeeee… tcharannmm… encontrada apenas UMA ocorrência com a palavra CUSTO (se você já começou a usar o Scrum em seu projeto, crente de que o Scrum Guide trataria do área de conhecimento custo, você deve estar sofrendo neste exato momento uma crise de flatulência aguda).

Mas calma amigão… muita calma nesta hora! – Se você utiliza Scrum e precisa controlar os custos do seu projeto, este post foi idealizado justamente para tentar te ajudar nesta nobre missão. Agora largue esse tal de Scrum Guide pra lá, e clique em Ler mais para saber o que você deve fazer para não arrebentar com o BAC (Budget at Completion) ou “orçamento” do seu projeto.

Ler mais